Meu momento (...)

Morrer lentamente. Sentir acabar-se aos poucos. Ver o mundo ao redor desmoronar. Perceber o vazio dentro de si apoderando-se continuamente, sem parar por nenhum segundo que seja. Lamentar a dor crescente do lado esquerdo sem ter a capacidade de reagir. Almejar o fim do sofrimento através de um fim decisivo. Querer se entregar para fugir dos sentimentos inversos aos que se esperava sentir. Desistir de um recomeço. Tortura interna é algo inexplicavelmente doloroso. A saída? A primeira atitude que resolver dar as caras nos pensamentos impensados. Irônico e contraditório.